segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Um ser talvez

Sou sombra num entardecer,
Aquela que acalma teu olhar!
Sou apenas eu…Um ser entre muitos…
Aquela que traz nos olhos a alma, o temporal em tarde calma,
A tortura do anoitecer, em sombra bucólica e íngreme…
Um ser, apenas eu…
Uma alma que se alimenta de metáforas,
Ao sabor do vento, grande distância!
Sou eu a sombra, o beijo dos sonhos…
A bebida de medronhos que embriaga a nostalgia…
Apenas aquela….
 Som da tua distância, rabiscos de uma infância, ou página em branco…
Imagem de um caminho que te alimenta na escarpa do delírio.
Ó nostalgia!
 Ó mágoa em noite fria…que despe teus desejos…
Adormece e morre sem teus beijos…
Apenas eu…com a tortura de um pensar.



6 comentários:

  1. Excelente Poema, minha Amiga.
    A fluência das palavras é tão natural como natural é, certamente, esse Amor.
    Foi uma surpresa para mim este blog.
    Sinceramente.
    Abração.
    Boa Semana.
    RUI

    ResponderEliminar
  2. Apenas você que fará desses pensamentos apenas um passado e dará espaço a novos pensamentos, novos beijos e abraços.
    BJos

    ResponderEliminar
  3. Passei por acaso e...gostei! O silêncio da noite tráz-nos tanta coisa...
    Um beijo
    Graça

    ResponderEliminar
  4. Rui...obrigado pelas tuas palavras ...

    beijo meu

    ResponderEliminar
  5. Graça, o silencio é um grande amigo...
    beijo meu

    ResponderEliminar

widgets.amung.us

Seguidores

Quanto já leram por aqui