quarta-feira, 25 de março de 2009

POETA LOUCO

Pobre do poeta louco

Ciente da sua loucura

Sofre o sonhador sem saber

O que nesta vida procura.

A dor é tormento

Pois não consegue entender

O porquê de tantos porquês

Que não o deixam esquecer.

A vida, o tal mistério

Que sábios, filósofos ou sonhadores

Não conseguem decifrar

Na sua grandeza de senhores.

Será feliz o rico

Ou o senhor do saber

Será louco o poeta

Ou não sabe apenas viver.

Consomem-no as dúvidas

As incertezas são constantes

Procura encontrar na escrita

O brilho dos diamantes.

Luz que ofusca

A mente brilhante

Do pobre poeta louco

Na sua procura incessante.

3 comentários:

  1. É m.to bonito esse texto poético,seria um monólogo,q. está no seu perfil.
    Parabéns!

    Ana.

    ResponderEliminar
  2. Maria que palavras sublimes, que frases tão verdadeiras bata ser poeta que importa se é louco, o importante é viver porque tudo sabe a pouco.

    Agradeço não se ter esquecido de mim e estar seguindo o meu blog(talvez até mais que eu) e por valorizá-lo com suas mensagens dando-lhe talvez o valor que eu mesmo não lhe dou.

    Dá-me prazer valorizar o seu ainda que a minha presença seja escassa
    este poema prova isso, pois tem alma que é a alma de quem escreve e penetra na de quem lê e isto é ser simplesmente poeta.

    Onde anda o poeta? Questionou voçê
    E será que ele existe?

    Bjs e abraços bom inicio de fim de semana

    ResponderEliminar
  3. Extraordinário poema!
    Uma leitura perfeita do coração que sente e pulsa poesia
    Parabens !!!
    George Arribas

    Ficarei muito feliz com sua visita em nossa página Recanto do Poeta
    http://bloggeorgearribas.blogspot.com/

    ResponderEliminar

widgets.amung.us

Seguidores

Quanto já leram por aqui