sábado, 31 de janeiro de 2009

Pegadas na areia



Tinha por hábito passear á beira-mar, conversava com as andorinhas,
Contava as dunas e as roxas que por ali havia.
Sonhava com o som do mar,
Enternecida, fechava os olhos e enquanto caminhava revia a vida….
O riso contagiante, as flores a florir, num pequeno canteiro duma bela vida.
Tudo isto na companhia de alguém que me acompanhava.
Todos os dias dava conta que não estava sozinha,
Virava-me para traz e via dois pares de pegadas.
Era bom saber que não estava só…
Era divertido partilhar tudo o que de bom me tinha acontecido.
Aqueles meus encontros secretos eram para mim um conforto.
Saber que tinha a companhia do dono daquelas pegadas era reconfortante.
Um dia, as coisas correram-me mal, o céu desabou-me em cima,
Mas, eu fui dar o meu passeio como era habitual.
Chorei…pensei…
Quando dei por mim tinha andado uma grande distancia,
Olhei para traz e qual não foi o meu espanto…eu estava sozinha.
Vi apenas duas pegadas na areia.
Pensei…estou sozinha,
Num sentimento de revolta gritei…
Porquê meu DEUS?
Quando estou feliz acompanhas-me, agora estou tão triste
E tu deixas-me caminhar sozinha,
Só consigo ver duas pegadas na areia…
-DEUS respondeu-me:
Não te sintas só, porque as pegadas são minhas,
EU é que te levo ao colo...

2 comentários:

  1. Gosto de ler os seus pensamentos são simples e verdadeiros, e reflectem coisas reais da vida, acabou de ganhar mais um leitor e admirador, é bom ler coisa assim obrigado pelo sua presença em meu blog.

    Abraços.

    ResponderEliminar
  2. Estranho encontrar as pegadas na areia no seu blog, porque mesmo ontem tinha pensado nelas, talvez porque tambem tenha olhado para tras e só vejo um par de pegadas nesta altura da minha vida. Obrigada por esta estranha coincidencia, boa continuação.

    ResponderEliminar

widgets.amung.us

Seguidores

Quanto já leram por aqui