sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

LABIRINTO

No labirinto da ternura encontrei o encantar
O encaixe do sossego e os recantos para amar.
As curvas dos desencontros, as sombras das dúvidas
As janelas de persianas cerradas, das lágrimas as paredes húmidas.
Ao fundo, uma clareira que espreita
De esperança, animo e aconchego
No labirinto da ternura
Só há paz, tranquilidade e não há medo….
.

4 comentários:

  1. Lá fora chove o calado momento
    Que repassa na alma, ansiedades…
    Saltam inquietas chamas de dentro
    Do meu peito, alagadas saudades

    Um fim-de-semana ensopado
    De paz e harmonia…
    De coração ornamentado
    De muita alegria

    O eterno abraço…

    -Manzas-

    ResponderEliminar
  2. Olá Maria, prazer em conhecê-la, e obrigado por seguir meu blog. Parabéns por sua escrita e dentro do poema distingo a palavra Esperança, sendo que lhe deixou um pouco com Mário Quintana:

    Esperança

    Lá bem no alto do décimo segundo andar do Ano
    Vive uma louca chamada Esperança
    E ela pensa que quando todas as sirenas
    Todas as buzinas
    Todos os reco-recos tocarem
    Atira-se
    E
    — ó delicioso vôo!
    Ela será encontrada miraculosamente incólume na calçada,
    Outra vez criança...
    E em torno dela indagará o povo:
    — Como é teu nome, meninazinha de olhos verdes?
    E ela lhes dirá
    (É preciso dizer-lhes tudo de novo!)
    Ela lhes dirá bem devagarinho, para que não esqueçam:
    — O meu nome é ES-PE-RAN-ÇA...

    abraço das letras
    Marcos Miorinni

    ResponderEliminar
  3. No castelo
    Das expressões,
    Estas palavras
    Sobrevoam
    O mundo inteiro…
    Acorrenta e entoam
    Paz aos corações
    E aqui
    Ao lê-las…
    Ficarei prisioneiro

    Uma semana carregada
    De saúde,
    Paz…
    E muito amor.

    O eterno abraço…

    -MANZAS-

    ResponderEliminar

widgets.amung.us

Seguidores

Quanto já leram por aqui